RSS

As meninas

06 Mar

«…Afonso sorri e conta o caso do Alvarinho. Um solteirão, que vivia só, sem cuidados nem desvelos. Não por falta de dinheiro mas de motivação. Ainda que de uma forma respeitosa, a sua figura era um dá que rir pela cidade. Além do mais, os homens – aqueles que coçam as intimidades no café – não lhe perdoavam a sua vida celibatária. Gozavam com a sua eventual virgindade, porque homem que é homem tem de molhar o pincel. O Alvarinho respondia com um sorriso amaneirado, encolhia os ombros e mudava de poiso como um pardal de rua.

Uma noite apareceu de barba feita, cabelinho cortado com uma pontinha de gel. E cheiroso. Só destoava o casaquito do século passado já a clamar por reforma. Foi a festa no Café Central. Alvarinho, de onde vem tanta elegância? Perguntaram. Fui às meninas, respondeu de peito cheio. Saiu logo uma rodada por conta da casa. Festejaram. Finalmente temos homem. Grande Alvarinho…!

Um dia e outro dia. O Alvarinho aparecia sempre bem penteado e cheiroso. Com tanto zelo, foi-se compondo a figura. Comprou um casaco novo por recomendação das meninas. E uma gravata da cor da moda. Uns sapatos novos porque as meninas achavam que os outros estavam consumidos. E até mudou de óculos. As meninas diziam que agora parecia mais jovem. Estás um espanto, diziam. Grande Alvarinho! – gritavam no café. Como vês, nada como molhar o pincel para nascer uma nova alma. Ele sorria e não mudava de poiso. Era um pardal já senhor de si. E todos os dias ele ia às meninas :

Sentava-se na cadeira e elas lavavam-lhe a cabeça com água morna. Deliciava-se com os dedos femininos a passarem pelo seu cabelo. Com o cheiro das suas peles frescas. Com o ondular dos seus seios encostados a ele e reflectidos no espelho. Aparavam-lhe o cabelo e passavam-lhe um after-shave pela cara. Aqueles minutos no cabeleireiro, para ele, valiam por uma carícia, por uma noite de amor. Eram os únicos toques femininos que tinha na vida, mas chegavam para o que eram os seus desejos. Sentia-se acarinhado. Adeus Alvarinho! – diziam elas dando-lhe um beijo. Até amanhã meninas! Até amanhã…»

João Morgado, In: Diário dos Infiéis
Romance, 2010, Oficina do Livro

«Deliciava-se com os dedos femininos a passarem pelo seu cabelo. Com o cheiro das suas peles frescas»


 
1 Comentário

Publicado por em Março 6, 2011 em João Morgado

 

One response to “As meninas

  1. Carla

    Março 6, 2011 at 2:26 pm

    Afinal, cada qual deve ser livre para escolher o que realmente lhe faz bem à alma!…

     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: